pt | en
21.00 x 14.00 cm, 272 pp.
ISBN 9788535915266
59,90
Farda, fardão, camisola de dormir
Romance, 1979 | Posfácio de Alberto da Costa e Silva
     Em 1940, o exército alemão soma vitórias pela Europa. Entre elas, a tomada da cidade de Paris. No Brasil, repressão e tortura são práticas correntes do Estado Novo, regime instituído por Getúlio Vargas em 1937, então ainda simpático ao projeto nazista de Hitler.
     É neste panorama geopolítico internacional e brasileiro que morre, na capital francesa, o poeta romântico e boêmio Antônio Bruno. Com isso, abre-se uma vaga na Academia Brasileira de Letras, fato que vai desencadear uma verdadeira guerra nos meios intelectuais do Rio de Janeiro.
     Estruturado em capítulos breves, como um espirituoso folhetim, Farda, fardão, camisola de dormir faz uso de um humor ferino e do ritmo caudaloso da escrita do autor para, a partir de um caso localizado e particular, abordar assuntos universais e mais abrangentes.
     A acirrada disputa entre os literatos pode ser comparada, com certa licença poética, à guerra travada em terras européias. De um lado, está o coronel Agnaldo Sampaio Pereira, simpatizante do nazismo. Do outro, o general reformado Waldomiro Moreira. A querela prolonga-se por longos quatro meses. Mas os dois candidatos não se equiparam ao estilo e à verve do poeta morto. Tampouco aos princípios humanistas de Bruno. Muito menos ao sucesso que este fazia com as mulheres, como a comunista Maria Manuela.
     Como indica o subtítulo original, Fábula para acender a esperança, a narrativa é uma sátira leve e divertida do conservadorismo político da elite, da hipocrisia das tradições familiares e da vaidade intelectual dos literatos.
Ilustração de Otávio Araújo


Alemanha, 1982


ASSASSINATOS NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS
Jô Soares
Tudo parece bem no Rio de Janeiro da década de 1920 - menos para os imortais da Academia Brasileira de Letras, que começam a tombar mortos, um depois do outro. O comissário Machado Machado está obstinado em provar que os crimes não são mera coincidência, mas obra de um assassino. Em seu novo romance, Jô Soares (e o leitor) revisita uma deliciosa época da então capital do país e seus tipos exóticos e burlescos.


     Passagens da biografia de Jorge Amado estão presentes no romance Farda, fardão, camisola de dormir. A trama da narrativa, sobre a disputa por uma vaga de imortal na Academia Brasileira de Letras, remete à eleição do próprio Jorge Amado para a ABL, ocorrida em 1961.
     Além disso, a época em que viveu o personagem Antônio Bruno, poeta autor de “A camisola de dormir”, foi das mais importantes e conturbadas da carreira do autor. Jorge Amado situa a trama do livro em 1940, durante a Segunda Guerra Mundial e a ascensão do nazismo. No país, vivia-se o regime ditatorial do Estado Novo (1937-45), quando o escritor foi vítima de censura e perseguição por sua filiação ao Partido Comunista Brasileiro.
     Jorge Amado escreveu Farda, fardão, camisola de dormir em sua casa de Itapuã, em Salvador, entre janeiro e junho de 1979. O fato de o livro ter sido publicado ainda durante a ditadura militar faz dele, ao abordar tais temas, uma alegoria contra o autoritarismo do passado e também daquele momento histórico.
     Tendo esse cenário político de fundo, o livro procura exaltar a liberdade que ainda se vislumbrava possível. O autor busca despertar no leitor a crença na possibilidade de mudança do status quo. Não à toa essa mensagem está expressa na moral desta fábula, como o próprio autor define a narrativa: “A moral? Veja: em toda parte, pelo mundo afora, são as trevas novamente, a guerra contra o povo, a prepotência. Mas, como se comprova nesta fábula, é sempre possível plantar, acender uma esperança”.
   
Apresentação | Obra | Vida | Centenário
Notícias | Infantil | Professores
Créditos | Fundação Casa de Jorge Amado
Apoio educacional: Volkswagen
Para receber informações e notícias sobre
Jorge Amado